top of page

Sob as bênçãos de Deus! - Capitulo 11



Deus não agiria com equidade, nem de acordo com a sua bondade, se castigasse para sempre os que encontraram obstáculos ao seu melhoramento, independentemente de sua vontade, no próprio meio em que foram colocados. Se a sorte dos homens se fixasse irrevogavelmente depois da morte, Deus não teria pesado as ações de todos na mesma balança, nem os teria tratado com imparcialidade.[1]


Jean saiu da clínica triste. Não imaginava que a morte da mãe fosse mexer tanto assim com ele. Na verdade nunca pensara em passar por essa situação. A vida superficial, sem vínculos de afetividade verdadeira com as pessoas, não lhe permitiram reflexões mais intensas sobre o viver e o morrer. Mas agora, estava às voltas com essas questões. Sempre imaginara que esse processo se daria com o seu pai. Considerava tendo que se transferir para o Brasil, quando a mãe o chamasse em razão da morte de Monteiro, após ela já ter tomado todas as providências, mas não foi o que aconteceu - a vida dera-lhe uma grande lição. Estava envolvido, tocado e sentindo algo que não sabia definir. Preparara-se para não sofrer mais por causa da mãe, do seu descaso e do seu abandono e agora estava ali, impactado, porque ela iria morrer.

Os caminhos da lei divina traduzem sempre a dinâmica do amor de Deus para conosco. Mergulhados no hálito divino, a todo o instante somos impregnados das forças que podemos mover em nosso favor, a despeito das resistências em tomar os rumos consentâneos com o planejamento reencarnatório traçado.

Efetivamente, como o médico de Leontina previra, ela desencarnou poucas horas depois, assistida pela equipe de Deboni e sob o amparo de Emília que pediu para ficar e acompanhar aquela a quem devotou a maior parte de sua vida física, mesmo que a mágoa e o ressentimento ainda sombreassem um pouco o seu Espírito.

A educação dos sentimentos é uma luta individual, assim como as escolhas que cada um faz. Não há como avaliarmos o quanto a criatura atinge de superação diante dos desafios existenciais. Quando lemos e refletimos sobre as mensagens dos benfeitores amigos e as narrativas dos ensinamentos de Jesus, amiúde, observamos as trajetórias alheias e as comparamos com as nossas, esquecidos de que a senda evolutiva é única e indevassável ao olhar alheio naquilo que se passa na intimidade do ser. Recolhemos os exemplos que são o ápice de rotas escarpadas e espinhosas, e que somente quem as trilhou consegue avaliar. Assim também se dá com os erros, as tragédias e os fracassos que anotamos, e nos quais o que se identifica de fora é o escândalo, poucas vezes surpreende-se o esforço para evitá-lo ou torná-lo menos malfazejo. A lei divina é programática, pois aponta um ideal de perfectibilidade no qual estamos todos inseridos, porém o que nos move ainda é o senso aguçado de condenação eterna com penas irremissíveis.

Deboni realizava encontros diários com os pacientes sob seus cuidados e entrevistas individuais a cada interregno semanal. A metodologia educativa que utilizava era tendente a refazer a forma de auto-avaliarão de cada um sobre o seu desempenho na reencarnação, para abrandar a amargura da expiação, essas dores que sobrevinham ao arrependimento, com a finalidade de fortalecer a fé em si mesmo, virtude necessária ao enfrentamento das mudanças e à resiliência ante as provações.

Emília estava inserida nesse processo que aflorava não somente os atos da última passagem pela Terra, mas aqueles relacionados a ela e que interferiam diretamente na memória emocional. Perdoar Leontina ainda era uma meta bem distante, mas sentia vontade de estar próxima e muitas vezes experimentava uma ternura quase maternal pela infeliz criatura.

- Vamos poder nos encontrar tão logo ela desencarne, meu bom amigo?

- Emília, agora adentraremos em uma etapa cujo seguimento está vedado ao nosso conhecimento. A situação da nossa enferma é delicada. O nível de rebeldia e arrogância permanece quase intacto e nem mesmo a contenção feita pela doença que minou o corpo, produziu os efeitos benéficos que esperávamos. Mas, como sempre há fulgores de esperança, a mãe da desencarnante somar-se-á à recepção na espiritualidade, e vai empenhar-se em despertá-la para a necessidade de modular o temperamento e facilitar a sua estadia e aprendizado no mundo espiritual.

- Eu queria muito ajudá-la, murmurou Emília.

- Cuide-se primeiro. Arregimente forças. Avance na compreensão das suas próprias dores e quando a Misericórdia Divina estabelecer que chegou o momento azado para o reencontro, ele se dará.


Referência: [1] Kardec, Allan. O livro dos espíritos (p. 139). FEB Publisher. Edição do Kindle. Pergunta 171.

Comments


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page