top of page

Ofertar a outra face




Diante da epidemia do crime e da violência.

Diante do convite ao desforço pessoal.

Diante da onda de ideias que radicalizam e desconsideram a situação daqueles que desafortunadamente mergulham na atmosfera do crime.

Diante do sentimento que ignora, serem os criminosos almas enfermas que necessitam de cuidados e restrição de liberdade, mas sobretudo de compaixão, de misericórdia e de ações educativas.

Diante do olhar que se detém no terreno enganoso da retribuição do mal pelo mal, entendendo que tirando a vida física do criminoso estaremos protegendo a sociedade.

Lembremos dos que ainda não possuem a visão da imortalidade da alma e das realidades do mundo espiritual, embora tenham, na sua consciência, a lei divina que interdita a quem quer que seja o desejo de matar, e que são esses um pouco menos comprometidos com as ideias que vigem, todavia têm sim a sua soma de responsabilidade.

Lembremos dos que já têm diante si, pela bênção da Doutrina Espírita, descortinadas as paragens de mais além, a conexão das vidas sucessivas, a imortalidade da alma; e que a esses pesa, substancialmente, quando mesmo que por dever de ofício, por exercício de suas profissões nutrem sentimentos desse jaez.

Os policiais e todos os que labutam no sistema de reclusão, de prisão, de julgamentos na Terra precisam trabalhar o coração e as mentes para não se renderem à mazela da truculência, da vindita, da desconsideração pela condição humana dos criminosos.

As matrizes da violência desaguadas nos sentimentos são armadilhas que se erguem em torno do coração e acabam por enfermar a alma, e a alma enferma é presa de todas as tentações.

Vigiai, como diz o venerando Espírito Joanna de Ângelis, as nascentes dos corações, para que as águas que banham a vossa sensibilidade não se turvem.


Carlos

Grupo Yvonne Pereira

19 de dezembro de 2019

Comments


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square