top of page

Espécies de Acessibilidades



Sonia Hoffmann


Acessibilidades representa um conjunto de estratégias importantes e necessárias a serem desenvolvidas por todos para a conquista da inclusão de alguém, apresentando uma deficiência ou qualquer diferença que precise de algum ajustamento ou instrumento para sua interação plena ou a mais favorável possível. Muitas pessoas pensam que colocar em ação alguma estratégia esteja relacionada somente a um gasto financeiro ou algo extremamente trabalhoso. Contudo, acessibilidades envolvem criatividade e amplas alternativas, as quais podem ou não se complementar ou mesclar de acordo com a necessidade da pessoa. Um cuidado porém é aconselhável: evitar improvisos e mal-estar.

Preferencialmente, seis são os tipos de modalidades a serem pontuadas, quais sejam: arquitetônica, comunicacional, metodológica, atitudinal, programática e instrumental.


  • Acessibilidade arquitetônica aborda as condições de acesso aos ambientes físicos, desde a infraestrutura às reorganizações ergonômicas e ambientais. Não se refere, portanto, somente à construção de rampas ou colocação de elevadores, mas igualmente se relaciona a retirar do ambiente barreiras que dificultem a permanência ou o deslocamento de alguém com o máximo de autonomia, segurança e independência. Por exemplo: portas largas, piso antiderrapante, sanitários espaçosos e com barras, torneiras com altura e manuseio acessíveis, boa iluminação e ventilação, mobiliário adequado (altura, largura e profundidade). A simples troca de uma cadeira ou posição de um ventilador, a colocação de sinalizações em silicone, algumas vezes, já são soluções eficientes.

  • Acessibilidades comunicacionais são estratégias adotadas para a transmissão e expressão de mensagens e informações, seja em um processo de comunicação direta (face a face) ou indireta, falada ou escrita. Como exemplos, temos a audiodescrição, intérprete de língua de sinais, letras ampliadas e contrastadas, aplicação da técnica de Leitura Facilitada, desenhos indicativos.

  • Acessibilidade metodológica está relacionada à utilização de orientações e instruções fundamentadas nas inteligências múltiplas e novos conceitos/abordagens de aprendizagem e compreensão/expressão informativa. Estudos de caso, uso da música, vivência de atividades, teatro e representações são alguns dos exemplos, podendo variar conforme a criatividade de quem atua como facilitador/mediador ou a dificuldade/funcionalidade do receptor. A observação e o diálogo são sempre excelentes auxiliares para a resolução.

  • Acessibilidade atitudinal considera sempre a equidade, empatia e flexibilidade interativa ou relacional para que todas as pessoas envolvidas sintam-se pertencentes e livres do peso de preconceitos, estereótipos, discriminações e estigmas. A proposta inicial é a organização de atividades de esclarecimento e sensibilização; em continuidade, atividades de conscientização, corresponsabilização e convivência são indicadas. O estabelecimento de um relacionamento saudável, permitindo a exposição/elucidação de dúvidas e o intercâmbio amistoso trazem amplos e benéficos ganhos para todos participantes da relação ou do encontro de singularidades. A qualidade da atitude é tão importante a ponto de ser colocado que ela sustenta a continuidade ou descontinuidade da interação e participação de alguém.

  • Acessibilidade programática tem conexão com a essência ética da fundamentação, ideia e difusão informativa (textual, pintura, avisos, manuais...). Nela busca-se a eliminação de barreiras invisíveis, capacitismos e o objetivo está na seleção apropriada de conteúdos prioritários e importantes.

  • Acessibilidade instrumental corresponde à aplicação ou adoção de aparelhos e equipamentos tecnológicos ou analógicos que possibilitem melhor funcionalidade e autonomia na interação de alguém com deficiência/diferença. Esta modalidade pode estar disponível na própria instituição ou pertencer particularmente ao usuário, mediante combinação ou condições de transporte, financeira ou qualquer outra. Sempre deve ser considerada a pesquisa ou consulta de novos itens da Tecnologia Assistiva. Conectores de lápis, pincéis e colher, computador, teclado, mouse, tesoura (com molas, para canhotos...), lápis/canetas com engrossadores, pranchas para fixação de papéis são alguns exemplos.

  • Outras espécies de acessibilidades podem ser apontadas, como a ambiental, afetiva e a natural (mobilidade em terrenos arenosos, aquáticos, arborizados, por exemplo), mas a resolução delas está fortemente vinculada às anteriores.


A classificação das acessibilidades pode parecer algo complexo e, algumas vezes, parecem até se corresponder, se não fossem algumas nuances. Entretanto, é preciso compreender que estes tipos, em determinadas situações e para atendimento da peculiaridade de alguém, tornam-se úteis serem aplicadas conjuntamente. É sempre fundamental que, na dúvida ou desconhecimento, haja uma conversa franca e prévia com a pessoa com deficiência/diferença ou com seus responsáveis (quando crianças pequenas ou não consigam se expressar com clareza). Dificilmente uma só modalidade de acessibilidade é adotada, pois no mínimo a atitudinal estará sempre presente com qualquer uma delas. Por esta razão, o vocábulo acessibilidades é bem mais apropriado.


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
bottom of page