Reflexões sobre a Parábola do Semeador - parte 2


OS TEXTOS AQUI PUBLICADOS TEM SEUS DIREITOS AUTORAIS

INTEGRALMENTE CEDIDOS À FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO RIO GRANDE DO SUL.

_______________________________________________________

No entanto, nossos movimentos não se dão de pronto e nem são lineares. Somos indivíduos com momentos distintos na oscilação dos dias. O ser humano comum não apresenta constância previsível e estável, ao contrário, somos pessoas com imensas variações no campo emocional e psíquico. Poderíamos dizer que nosso território interior segue o modelo da parábola de Jesus. Temos dentro de nós o terreno pedregoso, os espinheiros e a terra boa. Dito de outra maneira, também podemos conceber que apresentamos momentos distintos no nosso território mental, há períodos em que estamos prontos para novos plantios, em outros não.

O ser humano não apresenta uma constância unívoca em seu mundo interno e sim possibilidades maiores ou menores de criações e transformações.

Quando Jesus propõe a parábola do semeador, parece-nos que também nos oportuniza pensar sobre nossa própria experiência interior, ou seja, nossa semeadura íntima. As diversas sementes de crescimento que a vida nos oferece constantemente também encontram em nós múltiplos territórios possíveis. As vezes somos “espinheiros”, em outras ocasiões, somos “terra boa”. São as variadas circunstâncias de nosso amadurecimento emocional, psicológico e espiritual nos quais nos apresentamos com diferentes possibilidades de assimilação.

Proponho, nesse espaço, uma reflexão menos antropomórfica e mais simbólica, de representações nessa parábola de Jesus.

CONTINUA...

#sl

Fergs, um século de luz.

Contato/Localização

Travessa Azevedo, 88 Floresta Porto Alegre, RS 90.220-200

Redes

Ativo 7.png
Ativo 4.png
Ativo 6.png

Fone: (51) 3224.1493

Caixa Postal 4715

NÚMERO DE VISITANTES

© 2020 Área de Comunicação Social Espírita da Federação Espírita do Rio Grande do Sul