MEMÓRIAS DE UM SUICIDA – Parte 1.1 – Introdução às lições dos Mestres de Cidade Esperança


O livro “Memórias de um Suicida” foi escrito pelo Espírito Camilo Castelo Branco, através da mediunidade de Yvonne do Amaral Pereira. Publicado pela primeira vez em maio de 1954, a obra foi ampliada em segunda edição em abril de 1957.

Da leitura do índice constatamos que o livro foi estruturado em três partes distintas, quais sejam (I) Os réprobos, (II) Os departamentos e (III) A Cidade Universitária. Trata-se, em verdade, do caminho (iter) percorrido por Camilo na erraticidade.

Camilo suicida-se em janeiro de 1891 e permanece por um período de 2 meses em estado grave de perturbação em um Vale Sinistro[1](“vaguei desnorteado e tonto, em atribulado estado de incompreensão”[2]), quando então é recolhido por caridosa caravana[3], conduzido com um grupo numeroso até o Vale dos Suicidas[4] e lá permanece preso até o momento em que se encontrou apto para receber a indispensável ajuda no Hospital Maria de Nazaré[5].

(continua)

REFERÊNCIAS:

[1] “Nas peripécias que o suicida entra a curtir depois do desbaratado que prematuramente o levou ao túmulo, o Vale Sinistro apenas representa um estágio temporário, sendo ele para lá encaminhado por movimento de impulsão natural, com o qual se afina, até que se desfaçam as pesadas cadeias que o atrelam ao corpo físico-terreno, destruído antes da ocasião prevista pela lei natural.”,CASTELO BRANCO, Camilo, Memórias de um suicida, 27ª edição, FEB, 2013, p. 27. Para um melhor aprofundamento, sugerimos a leitura das respostas às questões 163, 164 e 165 (e comentário de Kardec) do Livro dos Espíritos.

[2] CASTELO BRANCO, Camilo, Obra citada, p. 39.

[3] “Silenciosos, mudos, eretos, marchavam em suas montadas, fechando-nos em círculo intransponível! À frente o comandante, abrindo caminho dentro das trevas, empunhava um bastão no alto do qual flutuava pequena flâmula, na qual adivinhávamos uma inscrição (...)Daquele momento em diante estaríamos sob a tutela direta de uma das mais importantes agremiações pertencentes à Legião [Legião dos Servos de Maria] chefiada pelo grande Espírito Maria de Nazaré, ser angélico e sublime que na Terra mereceu a missão honrosa de seguir, com solicitudes maternais, Aquele que foi o redentor dos homens!”, in obra citada, p. 41.

[4] “As ruelas, as cavernas, e os pântanos sucediam-se, baralhando-se num labirinto em que nos perdíamos, pois para onde nos dirigíssemos, depararíamos sempre o mesmo cenário e mesma topografia”, in obra citada, p. 42.

[5] “- Necessitais de repouso... Repousai sem receio, meus amigos... sois todos hóspedes de Maria de Nazaré, a doce mãe de Jesus... Esta Casa é dela...”, in obra citada, p. 57.

#JoséTerra

0 visualização

Fergs, um século de luz.

Contato/Localização

Travessa Azevedo, 88 Floresta Porto Alegre, RS 90.220-200

Redes

Ativo 7.png
Ativo 4.png
Ativo 6.png

Fone: (51) 3224.1493

Caixa Postal 4715

NÚMERO DE VISITANTES

© 2020 Área de Comunicação Social Espírita da Federação Espírita do Rio Grande do Sul